A pavimentação facilitará a integração entre os vales dos rios Doce, Jequitinhonha e Mucuri

abril 14th, 2013 | Sem categoria | Sem Comentários »

Omar Freire/Imprensa MG
A pavimentação facilitará a integração entre os vales dos rios Doce, Jequitinhonha e Mucuri
A pavimentação facilitará a integração entre os vales dos rios Doce, Jequitinhonha e Mucuri

A população dos municípios de Malacacheta e Água Boa comemorou, nesta sexta-feira (12), o início das obras de pavimentação dos 48,8 quilômetros de estrada da MG-217, trecho que liga a região do Rio Doce ao Vale do Mucuri. A determinação foi dada pelo governador de Minas, Antonio Anastasia, que assinou, em Malacacheta, a ordem de serviço e anunciou investimentos da ordem de R$ 70 milhões para as melhorias necessárias. Os recursos fazem parte do Programa Caminhos de Minas, cujo objetivo é ampliar e melhorar a infraestrutura logística dos municípios e regiões.

Durante seu pronunciamento para centenas de pessoas, entre autoridades, estudantes e moradores, Anastasia destacou o fato de ser o primeiro governador a visitar o município e enfatizou a importância da obra, que levará progresso e desenvolvimento aos cerca de 34 mil moradores de ambos os municípios.

“Essa é uma reivindicação histórica. É a maior obra financeira feita nesses dois municípios, mas é um dinheiro muito bem investido, que vai significar mais rapidez no acesso, vai integrar regiões e permitir que o trânsito que passa hoje por Salinas venha por essa região. Vai trazer mais segurança e ajudar na saúde, integrando mais o deslocamento. Vai baratear a produção e, além disso, integrar a zona rural, garantindo qualidade de vida a essas pessoas”, afirmou o governador.

O Caminhos de Minas é maior programa rodoviário da história de Minas Gerais, envolvendo obras em aproximadamente 7,8 mil km de rodovias, distribuídos por 236 trechos, beneficiando diretamente 304 municípios e 7,3 milhões de mineiros. Para viabilização do programa, o Governo de Minas está utilizando recursos próprios e financiamentos junto a organismos multilaterais de fomento. Na região do Jequitinhonha/Mucuri, estão previstas outras oito intervenções, totalizando 288 quilômetros de novas estradas pavimentadas.

“Fomos atrás dos recursos. Conseguimos o dinheiro, que é o mais difícil. Dos primeiros cinco de todos os trechos que faremos, um dos prioritários é o de Malacacheta a Água Boa para reafirmar a importância que tem essa estrada dentro do contexto do Estado”, ressaltou Antonio Anastasia.

A pavimentação facilitará a integração entre as regiões dos vales dos rios Doce, Jequitinhonha e Mucuri. Com a obra, a rodovia servirá como alternativa para quem quiser ir de Teófilo Otoni a Belo Horizonte sem passar pela BR-116. A ligação dos municípios da microrregião do Jequitinhonha/Mucuri com destino ao Espírito Santo também será facilitada.

Integração e desenvolvimento

Ao lado do prefeito de Água Boa, Elimarcius Lacerda, a prefeita de Malacacheta, Maria Ivone, destacou que a obra vai beneficiar diretamente a população dos dois municípios e possibilitar maior integração, ao encurtar distâncias e diminuir custos de transporte, com reflexo direto no desempenho da economia mineira.

“Esse evento é muito importante e histórico não só para nós de Malacacheta, que almejamos o progresso, mas para toda a região. O governador está sempre atento às necessidades de cada uma das regiões mineiras e escolheu Malacacheta para ser a primeira cidade contemplada entre os três vales com o Caminhos de Minas”, agradeceu a prefeita.

Os comerciantes locais, como Artur Bernardes, proprietário de um restaurante, comemorou a obra, que movimentará a economia da região, e já planeja a construção de mais um hotel em Malacacheta. Para ele, com a pavimentação da estrada, o movimento vai aumentar muito.

A redução no tempo de deslocamento de pessoas, bens e cargas é fator determinante para a melhoria da qualidade de vida dos moradores das regiões beneficiadas, dos que visitam o Estado ou daqueles que precisam utilizar a infraestrutura rodoviária mineira.

A economia na região entre Água Boa e Malacacheta é basicamente agropecuária, destacando-se a criação de bovinos, asininos (jumentos), muar (mulas), coelhos e bubalinos, além da produção de arroz e mandioca.

O programa vai impulsionar a comunicação nas diversas regiões do Estado e entre uma e outra, além de desviar tráfego das rodovias troncais, o que fará com que aqueles que trafegarem por todas as rodovias mineiras façam com mais segurança, tranquilidade e rapidez.

FILMES PREVISTOS PARA 2017

abril 14th, 2013 | Sem categoria | Sem Comentários »

Título do filme : 
Risco 

Gênero :
Guerra Diretor: Elenco: Riscos no Teaser-Trailer.com

Título do filme 
Rockfish 

Gênero :
Animação, Ficção Científica , Aventura Diretor: Tim Miller Elenco: Vin Diesel Rockfish em Trailer.com Teaser-

Título do filme 
Starcraft 

Gênero :
Ficção Científica Diretor: Elenco: Starcraft em Trailer.com Teaser-

O governador Beto Richa anunciou o Plano de Apoio ao Desenvolvimento dos Municípios (PAM), que destina R$ 150 milhões, a fundo perdido, para cidades com menos de 50 mil habitantes, e o Caminho das Pedras, que libera R$ 132,2 milhões para recuperação de estradas rurais.

abril 14th, 2013 | Sem categoria | Sem Comentários »

O presidente da Associação dos Municípios do Paraná (AMP), Luiz Sorvos (PDT), prefeito de Nova Olímpia, destacou nesta sexta-feira (12/04) o perfil municipalista do Governo do Estado. “O governador Beto Richa está de parabéns com este programa de apoio aos municípios. São R$ 150 milhões que vêm em boa hora e com o carimbo de fundo perdido”, disse Sorvos no encontro que reuniu 323 prefeitos, em Foz do Iguaçu.

O governador Beto Richa anunciou o Plano de Apoio ao Desenvolvimento dos Municípios (PAM), que destina R$ 150 milhões, a fundo perdido, para cidades com menos de 50 mil habitantes, e o Caminho das Pedras, que libera R$ 132,2 milhões para recuperação de estradas rurais.

Os prefeitos agradeceram e elogiaram Richa pela destinação de recursos. “O Beto vai ficar na história como um governo sensível e uma relação de confiança que não víamos no passado”, afirmou Lessir Canan Bortoli, prefeito de Renascença. O município, de cerca de sete mil habitantes, poderá receber até R$ 350 mil a fundo perdido.

MUNICIPALISTA – O presidente da Associação dos Municípios do Paraná ressaltou que o programa contempla a grande maioria das necessidades das prefeituras e mostra que o governador é realmente municipalista. “Um governo em que os prefeitos confiam e estão abertos para uma grande parceria”, completou.

Sorvos citou ainda outras ações apontadas como municipalistas do Governo do Estado, entre elas, a isenção das despesas com os convênios com a Emater e o que classificou como “avanços dos recursos” repassados às prefeituras para o pagamento transporte escolar.

NOVO PACTO – O prefeito condenou o que chamou de “modelo velho e ultrapassado” na relação entre municípios, estados e União – da federação. “Os municípios recebem apenas 23,5% do IPI e do Imposto de Renda arrecadados e quase nada dos quase R$ 30 bilhões das contribuições arrecadadas”, disse ele.

No caso do Paraná, disse Sorvos, “embora sejamos o quinto estado em arrecadação de impostos, somos quase o estado lanterna no recebimento de repasses federais. Cenário que torna cada vez mais urgente a revisão do pacto federativo, que a AMP sempre defendeu”.

O presidente da AMP atentou ainda que os municípios “estão empobrecidos”. “Estamos falando de um universo de receitas das quais estamos excluídos. Se os municípios estivessem inseridos no universo das contribuições, nossa arrecadação de Fundo de Participação dos Municípios seria simplesmente o dobro”, afirmou ele.

APROVAÇÃO – A grande maioria dos prefeitos afirma que os municípios sofrem com a reduzida transferência de recursos por parte do governo federal, sobrando pouco para investimentos como estes.

Confira mais depoimentos dos prefeitos

Ângela Mercer – prefeita de Tibagi e presidente da Associação dos Municípios dos Campos Gerais:

Para os municípios de pequeno porte, esses recursos vem em muito boa hora, pois há carência de estradas, de creches, entre outras necessidades. Por exemplo, 50% dos municípios da nossa região tem baixo IDH.

Wolnei Antônio Savaris – prefeito de Boa Vista da Aparecida.

Como prefeito pela terceira vez posso dizer que nunca tivemos um programa como esse. O governador Beto Richa está fazendo uma coisa que jamais foi feita. Geralmente são encaminhados recursos para áeas específicas. Os pequenos municípios nessecitam desta esta ajuda do Governo do Estado para o seu desenvolvimento.

Gilberto Dranka, prefeito de Piên e presidente da Associação dos Municípios da Região Suleste do Paraná (Amsulep)

O mais importante é o fatp de ser a fundo perdido, por não comprometer o orçamento das prefeituras. Em nome de toda a região agradeço ao governador por uma ação que atinge diretamente a população das cidades. Um dinheiro que todos estavam esperando.

Cleci Maria Loffi – prefeita de Mercedes

Já realizamos audiências públicas com a população e tem definidas as prioridades de sua comunidade. Vamos usar pro Fundo de Vale, um programa municipal para fomentar o turismo de nossa cidade.

Célia Cabrera de Paula – prefeita de Campina da Lagoa

Nossa maior deficiência é na área da educação. Precisamos de uma escola municipal. Já fizemos audiências e utilizaremos parte dos recursos para este fim.

Pedro Ivo – União da Vitória: Os recursos são importantes, porque a fundo perdido. O governador sabe das nossas necessidades. Vivemos uma democracia, um governo republicano onde o governador não olha para a cor partidária para decidir os investimentos

Marcão Barranco – Guaporema: Vai ajudar muito nossa cidade e nossa região, pois é uma forma de aproximar o governo do Estado dos municípios. Por isso, a liberação destes recursos vai fazer diferença pra nós. Com esse programa temos esperança, pois a receita dos municípios, em geral, vem caindo a cada dia. Infelizmente, os outros governadores prometiam e não apareciam fora da época da campanha. A nossa esperança no Beto Richa é muito grande e ele já vem confirmando o municipalismo, com as frequentes visitas às cidades do interior.

Joaquim Orácio – Colorado: Esse programa muda a realidade de Colorado. É um grande avanço e que significa que o governador está não só olhando para Curitiba e região metropolitana, mas para todo o Paraná. Essa é a grande importância da medida, que fortalece todas as regiões do Estado. Estamos muito contentes com essa iniciativa. Quero melhorar as ruas, que com as constantes chuvas deixaram a cidade numa situação caótica. Esse recurso veio no momento adequado.

Aroldo Fernandes Duarte – Ubiratã: O PAM significa um avanço muito grande, significa que o Governo do Estado está olhando os pequenos municipios com bons olhos, para que possamos ter investimentos e para que isso venha ao encontro dos nossos anseios. Pretendemos fazer reformas e melhorias em prédios e novas salas para a educação, salas para as secretarias e também adquirir veículos. Mas vamos buscar o que a comunidade pensa e o que a comunidade quer.

Claudemir Herthel – prefeito de Rebouças e presidente da Associação dos Municípios do Centro Sul do Paraná: Acredito que o PAM seja um marco na história do Paraná, que mostra a preocupação e a harmonia de um governo com espírito municipalista. Principalmente pelo fato de o governo ser hoje regido por uma pessoa que já foi prefeito e que debruça seus olhares para o interior do estado, entendendo quais são as necessidades dos pequenos municípios.

Guilherme Cury Saliba Costa – prefeito de Tomazina e presidente da Associação dos Municípios do Norte Pioneiro: O PAM é um passo importantíssimo para nós, prefeitos de cidades pequenas. Temos dificuldades, a capacidade de investimento é muito pequena. Mas, mais importante que o recurso a fundo perdido, é o prefeito e a população terem a liberdade de destinar esses recursos da forma melhor para o seu municípios. Diferente dos governos anteriores, em que os programas eram impostos aos prefeitos, o governador Beto Richa inova em dar a opção para o prefeito escolher a melhor maneira de investir esse recurso.

Jucenir Stentzler – Palotina: O governo está acertando e induzindo o progresso. É uma iniciativa que nenhum outro governo desenvolveu e o Beto Richa está de parabéns. Por isso está acontecendo muita coisa boa e diferente no estado, com geração de emprego para quem mais precisa

Frank Schiavini – Coronel Vivida: O PAM é uma iniciativa louvável, que vem em boa hora, pois os municípios precisam de estruturação. O governo Beto Richa está sendo muito feliz em ajudar esses municípios pequenos. No nosso caso, esse dinheiro vai salvar vidas, pois será investido na saúde.

Carlos Rosa Alves –Corumbataí do Sul: Cuidar dos municípios pequenos é de grande valia, pois essas cidades dependem de repasses do governo estadual. Pretendemos usar esse dinheiro com a infraestrutura da nossa cidade.

Arlindo Rieger – Pato Bragado:Muito importante o Governo do Estado estar abrindo a torneira para os pequenos municípios, que tem dificuldades para investir e melhorar a vida da população. Recebemos com grande satisfação. Vamos ouvir o povo para definir onde aplicar esse dinheiro.

Marcel Mendes – Mato Rico: Diante da situação financeira enfrentada dos municipios e a busca constante de desenvolvimento, este recurso vem ao encontro dos nossos anseios e trará condições estruturais para o desenvolvimento local.

Élio Batista da Silva – Jataizinho: Vamos investir em infraestrutura para o escoamento da nossa safra. Temos várias prioridades. Somos uma cidade pequena mas com problemas de cidade grande. Desde março choveu muito e danificou muito as vias. Nosso município é totalmente agrícola. Queremos agradecer muito ao governador, que tem o olhar voltado ao município, aberto ao dialogo e tem nos ajudado muito.

Cláudio Gubertt – Manfrinópolis: Muito importante porque os municípios pequenos têm pouca arrecadação, e não estão conseguindo caminhar sozinhos. A atitude do governo é muito boa.

Luiz Fernando Bandeira – Marmeleiro: A gente recebe com alegria e satisfação. Vem ajudar muito nosso orçamento. É um governo preocupado com a gente.

José Maria Fernandes – Santa Cruz do Monte Castelo: Os pequenos municipios, sem dúvida nenhuma, têm tido um grande trabalho na saúde, na educação. Ficam pequenos problemas que não temos verba para investir. Mais uma vez o governo demonstra que é municipalista e ajuda quem mais precisa.

Ronaldo Cazella – Guaraniaçu: Na verdade é o socorro que os municipios precisam hoje. Se pegar município pequeno que vive praticamente da agricultura, tem muita demanda. Hoje a vontade nossa é recapear os bairros do município.

Gilmar Luiz Bernardo – Campo bonito: O programa é importante porque vem ajudar, e muito, a administração pública. Já ganhamos ambulância nova e outras coisas do governo estadual e agora recursos a fundo perdido.

André Luis Bovo – São Jorge do Ivaí: Iniciativa muito importante. Os prefeitos são os mais cobrados. Importante a ajuda do Estado para atendermos os anseios da comunidade.

Haroldo Fernandes Duarte – Ubiratã: É um sucesso. Estamos realmente felizes com esse programa que vem ajudar os municípios que encontram dificuldades na sua administração. Vamos receber em torno de R$ 450 mil e pensamos em alguns projetos que irão ao encontro com os anseios da população

Adulto Ferrari – Missal: Satisfação muito grande até porque nosso município é essencialmente agrícola e tem muitas dificuldades. O governador faz com que os municípios de pequeno porte tenham como investir para o bem da população.

O Grupo Arbor Brasil reinaugurou nesta sexta-feira (12/4) a unidade produtora de sucos Unidrinks, em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense

abril 14th, 2013 | Sem categoria | Sem Comentários »

O Grupo Arbor Brasil reinaugurou nesta sexta-feira (12/4) a unidade produtora de sucos Unidrinks, em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense. Foram investidos R$ 30 milhões na aquisição do espaço, novos equipamentos, reestruturação da planta (obra civil e utilidades) e capital de giro projetado para este ano. A fábrica ajudará a retomar o crescimento da fruticultura na região.

Durante o evento, o governador Sérgio Cabral ressaltou que o Norte Fluminense e o Estado do Rio de Janeiro serão beneficiados com a reinauguração da empresa.

– A Arbor é um exemplo de empresa brasileira. Ela confia no Brasil. E, mais ainda, ela é do Rio de Janeiro e confia no nosso estado. Os produtos daqui são de alta qualidade. É uma honra ter este grupo atuando conosco – disse o governador Sérgio Cabral.

O vice-governador e coordenador de Infraestrutura do Estado, Luiz Fernando Pezão, destacou a importância da fábrica para a geração de emprego e renda.

– É um prazer poder ver este empreendimento florescer. Hoje, o Rio é o maior polo de desenvolvimento econômico do país, é o maior em relação à empregabilidade dentro da Região Metropolitana – afirmou Pezão.
Há mais de 40 anos atuando no mercado de bebidas, com amplo portfólio de vinhos, energéticos e cervejas especiais, o Grupo Arbor já havia se instalado no local na condição de arrendatário há cerca de um ano e meio.

A Unidrinks opera em dois turnos gerando atualmente 120 empregos diretos, com perspectiva de atingir 200 até o fim do ano. Com três linhas de envase já instaladas, acrescidas de duas novas linhas que entrarão em operação nos próximos 90 dias, a capacidade produtiva para sucos e chás será de 80 milhões de litros / ano.
– Esta é a segunda empresa no país em processamento de uva. Aqui é a nossa aposta para o futuro, construiremos uma linda história – explicou diretor-executivo da Arbor, Mozart Rodrigues.

Emprego e renda para a população

Funcionária da fábrica, Michelle Ribeiro, de 22 anos, comemorou o novo emprego.

– Aqui a empresa não visa só os lucros, eles dão muito valor aos seus empregados – disse Michelle.

Novecentas unidades habitacionais do Programa Minha Casa Minha Vida começam a ser construídas no Complexo do Alemão a partir do segundo semestre deste ano

abril 14th, 2013 | Sem categoria | Sem Comentários »

Novecentas unidades habitacionais do Programa Minha Casa Minha Vida começam a ser construídas no Complexo do Alemão a partir do segundo semestre deste ano. As moradias vão ser entregues a famílias removidas de áreas de risco ou de prédios invadidos e que hoje vivem com o aluguel social pago pelo Governo do Estado. Os imóveis, que serão erguidos em terrenos ao longo da Avenida Itaoca e no local da antiga fábrica da Skol, integram um pacote de 1.900 moradias que serão construídas na comunidade até 2014.
- Nós vamos construir mais de 400 unidades habitacionais onde existia a fábrica. Os galpões já foram demolidos e o terreno está livre para receber os apartamentos. Além dessas, outras 1.500 moradias serão erguidas na comunidade até o fim do ano que vem – disse o vice-governador e coordenador de Infraestrutura, Luiz Fernando Pezão, durante o lançamento do projeto Estações Cultural no Teleférico do Complexo do Alemão, no sábado (13/04).
Estado já realocou 3.031 famílias na comunidade
As unidades se somarão a outras 1.502 já entregues pelo Estado no Alemão para abrigar famílias que moravam em áreas de risco ou que deixaram suas moradias na região para a intervenções e obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Das unidades já entregues, 920 foram erguidas pelo PAC e 582 são dos Residenciais Jardim Acácias e Jardim Palmeiras, construídos pelo Minha Casa Minha Vida e comprados pelo Governo do Estado. No total, o Estado já realocou 3.031 famílias no Alemão: 1.502 nas novas moradias e 1.529 através do pagamento de indenização ou compra assistida.
Teleférico da comunidade oferece programação cultural para passageiros e visitantes

O Teleférico do Alemão foi palco, no sábado (13/4), da primeira edição do Projeto Estações Culturais. Entre 10h e 17h, passageiros e visitantes do sistema puderam conferir apresentações de dança, teatro, circo, música, grafite, exposições, exibições de curtas-metragens, oficinas de artesanato, workshops e palestras sobre a história da região.
A iniciativa, uma parceria da SuperVia e das ONGs e grupos culturais que atuam no complexo, tem como objetivo criar oportunidades de integração entre os moradores das comunidades do Alemão e da Penha, além de oferecer entretenimento aos turistas que visitam o teleférico.
- É muito bom poder acompanhar estas programações nestes espaços que entregamos para a comunidade. É gratificante ver o trabalho que foi feito com os grupos culturais dos complexos do Alemão e da Penha através da nossa parceria e do PAC Social – disse Luiz Fernando Pezão.

Cushing

A notable exception is the United States, where asbestos continues to be used in construction such as cement asbestos pipes

abril 14th, 2013 | Sem categoria | Sem Comentários »

The use of asbestos in new construction projects has been banned for health and safety reasons in many developed countries or regions, including the European Union, Australia, Hong Kong, Japan, and New Zealand. A notable exception is the United States, where asbestos continues to be used in construction such as cement asbestos pipes. The 5th Circuit Court prevented the EPA from banning asbestos in 1991 because although EPA research showed it would cost between $450 and 800 million and save around 200 lives in a 13-year length, the EPA did not provide adequate evidence for the safety of alternative products.[116] Until the mid-1980s, small amounts of white asbestos were used in the manufacture of Artex, a decorative stipple finish,[117] however, some of the lesser-known suppliers of Artex were still adding white asbestos until 1999.[118] Removing or disturbing Artex is not recommended, as it may contain white asbestos.

O Governo anunciou também a construção de quatro mil metros de interceptor de esgotos em Ribeirão Bonito, o que vai evitar que 22 toneladas por mês de dejetos sejam jogadas no Jacaré Guaçu

abril 14th, 2013 | Sem categoria | Sem Comentários »

SP investe mais de R$ 13 milhões em saneamento em Ibaté e Ribeirão Bonito

Obras evitarão que mais de 70 toneladas de esgoto sejam jogadas na natureza por mês

Alckmin lembrou que “a cidade toda já tem água, já tem esgoto. Agora, vamos tratar o esgoto”. Desta maneira, Ibaté será um município 300%: 100% de tratamento de água, 100% de coleta de esgoto e 100% de tratamento de esgoto. Cerca de 54 toneladas por mês de esgoto deixarão de ser despejadas no córrego Boa Vista.

O Governo anunciou também a construção de quatro mil metros de interceptor de esgotos em Ribeirão Bonito, o que vai evitar que 22 toneladas por mês de dejetos sejam jogadas no Jacaré Guaçu. Assim como a obra anunciada também neste sábado em Ibitinga, a medida ajuda na revitalização da Bacia Hidrográfica do Tietê/Jacareí. Em Ribeirão Bonito, o investimento é de R$ 2,5 milhões. Tanto em Ibaté quanto em Ribeirão Bonito, os recursos fazem parte do programa Água Limpa.

“É mais uma ação concreta do Governo do Estado de São Paulo para recuperação dos nossos rios, nossos córregos, do meio ambiente e para melhorar os indicadores de saúde pública”, afirmou o secretário de Saneamento e Recursos Hídricos, Edson Giriboni.

“Tight budgets require us to prioritize the use of our resources even as we strive to make the best use of 21st century opportunities to inform, engage, and connect with our audiences”

abril 14th, 2013 | Sem categoria | Sem Comentários »

The Broadcasting Board of Governors (BBG) today released its FY 2014 budget request to help U.S. international media meet its strategic priorities in light of dynamic global media environments and current spending constraints.

“Tight budgets require us to prioritize the use of our resources even as we strive to make the best use of 21st century opportunities to inform, engage, and connect with our audiences,” said Michael Meehan, chairman of the board’s Strategy and Budget Committee. “As is true across the federal government, we have to take a hard look at spending — seeking efficiencies wherever possible and limiting the impact on our mission-critical work.”

For FY 2014, the BBG has requested $731 million for U.S. international media.  The request contains proposed investments designed to increase the impact and reach of U.S. international broadcasting with $13.9 million primarily to support critical initiatives to counter violent extremism.  The investments as a whole would:

  • Create a multi-channel, multi-language information and engagement initiative targeting youth in the Trans-Sahel region of Africa.
  • Provide deeper, on-the ground coverage in the critical Maghreb region – the birthplace of the Arab Spring.
  • Engage new audiences in Burma by investing in the creation and distribution of compelling content for distribution over TV satellite, local affiliates, mobile, and other digital platforms.
  • Realign transmission assets and upgrade other infrastructure to improve service to critical audiences and to reduce reliance on external leases.

The request also contains $12.5 million in Internet anti-censorship funding to continue a broad-based approach to the deployment of emerging technologies and partnerships with cutting-edge experts, developers and in-country networks.

Included in the budget request is a legislative proposal to establish a Chief Executive Officer for all civilian U.S. international media.  Establishing a CEO is a key objective of the BBG and the Administration.  The proposal will improve the management and efficiency of BBG operations, helping to mitigate the challenges of a part-time board.  The BBG’s governing board has repeatedly voiced support for creation of a CEO, an element in their five-year strategic plan, had has previously submitted language to Congress for such a position.  The Department of State’s Office of the Inspector General underscored the importance of such an action.

The CEO will be empowered to provide day-to-day executive leadership for U.S. international broadcasting and will have management authority over the federal and non-federal elements.  The Board will hire and supervise the CEO, retaining the critical role of setting the strategic direction of U.S. international media, as well as evaluating its journalistic quality and maintaining its journalistic integrity.

The BBG’s strategic plan provides the context for the budget request and notes that to be competitive in today’s complex media markets, the agency must innovate as never before. To have the resources and management structures to enable such innovation, the agency must integrate its operations.

Proposed shifts include scaling back selected language services to reduce overlap, increasing  cooperation, and ensuring that broadcasters will provide complementary content; streamlining and restructuring central news operations; realizing savings in information technology; and making other administrative and support reductions in ways that will not diminish the agency’s ability to execute its mission.

The FY 2014 budget request includes program, transmission and staffing reductions across all the networks — at the Voice of America, Radio Free Europe/Radio Liberty, Radio Free Asia, the Middle East Broadcasting Networks, the Office of Cuba Broadcasting — and the International Broadcasting Bureau, in part through efforts to continue to restructure operations and end duplication.   This includes rationalizing distribution through reductions of some cross-border (shortwave and medium wave) broadcasts where they have the least impact – either because audiences are small, or because people prefer to access programs on other, more popular media, including FM radio, television, and the Internet. The VOA Greek and RFE/RL Balkan services would be closed under this proposed budget.

“Some of these changes, if enacted, will be very difficult on the men and women involved,”  Meehan said.  “We will do everything possible to minimize the impact on our employees through agency buyouts, early-out authority and reducing positions via attrition.”

The Broadcasting Board of Governors today discussed innovations across the agency in delivering independent news to transitioning societies, and the implications of the FY 2014 budget request for U.S. international media.

abril 14th, 2013 | Sem categoria | Sem Comentários »


April 11, 2013 meeting of the Broadcasting Board of Governors

Washington, DC – The Broadcasting Board of Governors today discussed innovations across the agency in delivering independent news to transitioning societies, and the implications of the FY 2014 budget request for U.S. international media.

Governors Michael Meehan and Victor Ashe focused at the start on the many threats against BBG journalists worldwide, pausing in remembrance of Somali journalist Mohammed Ali Nuxurkey, who worked for VOA in Mogadishu. On March 18, Nuxurkey was sitting in a café when he was killed by a suicide bomber.

“His death is a sad reminder of the danger reporters face because they live in the volatile places we report on,” said BBG Governor Meehan, who presided over the meeting. Meehan also recounted details of other threats to BBG journalists in Pakistan, Azerbaijan and Cambodia. He reiterated calls for information and the release of Alhurra reporter Bashar Fahmi, who has been missing in Syria for more than seven months.”

Governor Meehan also commended the work of those who help make the transmissions possible. “I’d like to make special mention of the people behind the scenes who work under the same conditions, sometimes at risk to their lives, to help bring the light of truth to people living under repressive regimes and in conflict zones,” he said.

In the context of this volatile global media environment the Board discussed its just-released FY2014 budget request.  The BBG’s $731 million request includes proposed investments designed to support initiatives to counter violent extremism, with particular focus on the Trans-Sahel and Maghreb regions of Africa, along with an enhanced reporting capability in Burma.

Discussion at the meeting highlighted the importance of increased funding for the Internet Anti-Censorship program as a key initiative to serve audiences in countries that lack Internet freedom.  The Board noted the inclusion in the budget of a proposal to establish a Chief Executive Officer for all civilian U.S. international media. Establishing a CEO is an important objective of the BBG and the Administration.

The Board also received an update on the status of changes to the law that soon will allow greater access in the United States to content produced across the BBG.  Draft guidelines on how the agency will handle domestic requests for materials are under development and will be published for public comment following review by the office of management and budget. The changes, made to a law that is commonly known as Smith-Mundt, will take effect on July 2, 2013.

In reports delivered to the Board, leadership of the BBG-supported broadcasters outlined new strategies, programming and platforms that are being used to bring the light of truth to conflict zones.  Voice of America Director David Ensor detailed new initiatives in Africa, including an SMS service in Nigeria, new FM and mobile services in Mali, and a new FM service in South Sudan. Acting President for RFE/RL Kevin Klose stressed the importance of the free, independent, fact-based journalism in transitioning societies and thanked the BBG for its assistance in providing shortwave transmissions for their Uzbek and to Turkmen services at “the exact time it was needed.” Radio Free Asia President Libby Liu presented a video made by RFA journalists of violent communal clashes in Burma – the only video known to have made it out of the country.  Office of Cuba Broadcasting President Carlos Garcia-Perez and Middle East Broadcasting Networks President Brian Conniff also provided reports.

Governor Meehan also took a moment to recognize the “tireless and selfless service” of Dennis Mulhaupt, who resigned from the Board earlier in the week. As a result of his departure, Governor Susan McCue will chair the RFE/RL corporate board and Governor Victor Ashe will serve as vice chair. Governor Ashe was also chosen to chair the audit committee for RFE/RL.

The Governance Committee will recommend to the full Board that Susan McCue become the committee chair.

Under a new policy, members of the public who had registered to attend the meeting were given the opportunity to speak for up to three minutes.

The Board will reconvene on April 24 and plans to hold a town hall meeting on May 15.  Further details will be posted on www.bbg.gov as they become available.

Video of the board meeting can be viewed here.

Arkansas

Esclarecimentos sobre o edital de concessão da primeira etapa do Trem de Alta Velocidade (TAV), que ligará o Rio de Janeiro a São Paulo

março 31st, 2013 | Sem categoria | Sem Comentários »

20/03/2013

bm&fbovespa

A Agência Nacional de Transportes Terrestres realizou, ontem (19/03), a segunda reunião presencial, na BM&FBOVESPA, para fazer esclarecimentos sobre o edital de concessão da primeira etapa do Trem de Alta Velocidade (TAV), que ligará o Rio de Janeiro a São Paulo e Campinas. Participaram 70 representantes de grupos com interesse no projeto, além de empresas de consultoria, de engenharia, do sistema financeiro e de escritórios de advocacia.

As questões levantadas se concentraram nas regras e exigências fixadas pelo edital publicado no dia 13 de dezembro do ano passado.

O período de esclarecimentos estende-se até 16 do próximo mês, quando os interessados ainda poderão se manifestar por meio eletrônico.

A etapa posterior será dedicada à elaboração das atas com respostas a todas as duvidas manifestadas durante o período reservado a esclarecimentos. Essas atas serão, em seguida, publicadas no site da agência.

O cronograma do processo de licitação do TAV prevê para o dia 13 de agosto deste ano a entrega das propostas dos interessados na concessão da primeira etapa do projeto, na BM&FBOVESPA.

Esta etapa se destina à seleção da tecnologia e do operador. Após essa data as propostas serão avaliadas pela comissão de licitação. O leilão está marcado para o dia 19 de setembro.

Pelo cronograma, a homologação do vencedor do leilão desta etapa ocorrerá no dia 20 de novembro e a assinatura do contrato da concessão será em 27 de fevereiro do ano que vem.

Pelo novo formato do projeto de implantação do trem de alta velocidade, haverá ainda mais duas etapas no processo: elaboração do projeto executivo, a cargo do governo, quando será definida, por exemplo, a localização das estações; e licitação da empresa que fará as obras de infraestrutura (construção da ferrovia, túneis, viadutos e as estações).